English Version

Síndrome Alcoólica Fetal (SAF): o que é e como prevenir?

21 Setembro 2022

Consumo de álcool durante o período gestacional pode trazer graves consequências à saúde do feto e do recém-nascido.

Você já deve ter ouvido alguém dizer que beber só um pouquinho durante a gravidez não faz mal ou, ainda, que a cerveja escura aumenta a produção do leite materno, mas afirmações como essas são completamente equivocadas e podem trazer diversas consequências para o feto e o recém-nascido. 

O álcool atravessa a placenta, o que permite que, em pouco tempo, a concentração dessa substância no sangue fetal se torne equivalente à materna. Entretanto, o organismo do feto – ainda em formação – não consegue metabolizar o álcool, que permanece no seu sangue por mais tempo, até ser eliminado pela circulação materna. No período embrionário, isso pode provocar alteração na divisão, proliferação, migração e diferenciação celular, levando a malformações. Já entre a 9ª e 14ª semana de gestação, sua ação provoca alterações principalmente no sistema nervoso central, podendo, inclusive, levar à morte neural.

Estima-se que, em 2017, cerca de 10% das mulheres grávidas fizeram uso de álcool. Nos Estados Unidos, de acordo com o Centro de controle e prevenção de doenças (Center for Disease Control and Prevention), em 2015, esse número chegou a 10,2%. No Brasil, estima-se que 15% das gestantes consumam bebidas alcoólicas e, além disso, as brasileiras em idade fértil estão bebendo mais. 

O tipo e a gravidade dos prejuízos induzidos pelo consumo do álcool durante a gravidez dependem de 3 principais fatores:

  1. Quantidade de bebida alcoólica consumida.
  2. Frequência do consumo de álcool.
  3. O estágio de desenvolvimento do embrião/feto no momento da exposição.

Outros fatores também podem influenciar a extensão dos efeitos da exposição pré-natal ao álcool, como aspectos individuais maternos (composição corporal, idade, se é fumante e estado geral de saúde), genéticos (tanto da gestante como do feto) e ambientais (exposição da gestante a ambientes estressantes ou condição de adversidade social).

Dados de pesquisas mostram que 1 em cada 67 mulheres que consumiu álcool durante a gestação, no mundo, dará à luz um filho com síndrome alcoólica fetal, o que corresponderia ao nascimento anual de 119 mil crianças com essa condição, acendendo um sinal de alerta sobre as consequências desse comportamento para os bebês. O fato desta síndrome ser totalmente prevenível reforça ainda mais a importância deste alerta.

 

O que é a Síndrome Alcoólica Fetal (SAF)?

O consumo do álcool durante a gravidez pode prejudicar o desenvolvimento do feto em diversos aspectos e em diferentes graus de intensidade, incluindo déficits cognitivos, comportamentais, emocionais, além de deformidades físicas. O conjunto de sintomas decorrentes do consumo do álcool durante a gravidez é chamado FASD, sigla em inglês para Fetal Alcohol Spectrum Disorders (Transtorno do Espectro Alcoólico Fetal), e inclui desde alterações mais específicas, como transtornos de neurodesenvolvimento ou anomalias congênitas até a forma mais grave, chamada Síndrome Alcoólica Fetal (SAF).

 

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico da SAF é clínico e existem quatro critérios para identificar a síndrome:   deficiências de crescimento que impedem o crescimento pré- ou pós-natal; danos cerebrais permanentes que resultam em anomalias neurológicas, atraso no desenvolvimento, deficiência intelectual e deficiências de aprendizagem/comportamento; características faciais anormais, incluindo aberturas oculares curtas, lábio superior fino e reduzido; além de atestar se houve consumo de álcool pela mãe durante a gravidez.

Estimativas indicam que menos de 1% das crianças afetadas pela síndrome são diagnosticadas. Isso acontece porque o diagnóstico não é fácil, pois requer uma equipe multidisciplinar. Além disso, as dismorfias faciais vão esmaecendo com o passar dos anos, e existe pouca informação para identificar os casos. Mas quanto antes o diagnóstico for feito, melhor.

 

Existe cura ou tratamento para a SAF?

Não há cura para a SAF ou para os outros transtornos provocados, mas ela é uma condição totalmente evitável, desde que a gestante não consuma álcool. 

Entretanto, há tratamento e, nesse sentido, o diagnóstico precoce – se possível, antes dos 6 anos de idade - e o apoio de uma equipe médica multidisciplinar podem auxiliar no desenvolvimento e possibilitar um aumento da qualidade de vida das crianças acometidas. Ele é baseado em intervenções que envolvem diferentes aspectos afetados pela síndrome, incluindo intervenções não medicamentosas como reabilitação, educação especial e suporte social. O tratamento medicamentoso é meramente sintomático e dirigido principalmente às manifestações do déficit de atenção e hiperatividade.

Atualmente algumas opções têm sido exploradas na fase pré-natal com o objetivo de proteger o feto dos agravos do álcool, como a administração de vitaminas C, E, suplementos alimentares como ácido fólico, colina, peptídeos neuroativos e fatores neurotróficos, mas ainda não há resultados consolidados que comprovem sua eficiência. Após o nascimento, o tratamento é voltado às lesões cerebrais. 

 

Como prevenir?

A SAF é 100% atribuída ao álcool, portanto totalmente evitável: basta suspender completamente a ingestão de bebidas alcoólicas durante a gestação ou ao tentar engravidar. 

Além disso, é importante estimular medidas educativas e preventivas que promovam a orientação e a informação para as mulheres, desde o planejamento familiar até a amamentação, incluindo as consequências da ingestão de bebidas alcoólicas nesse período.

 

Mas e se a mulher consumir álcool antes de descobrir a gravidez? 

Nesse caso, a gestante não deve se culpar. O importante é parar totalmente o consumo o quanto antes e conversar com seu médico a fim de minimizar os riscos. 

Additional Info

  • Referências:

    Wozniak, J. R., Riley, E. P., & Charness, M. E. (2019). Clinical presentation, diagnosis, and management of fetal alcohol spectrum disorder. The Lancet. Neurology18(8), 760–770. https://doi.org/10.1016/S1474-4422(19)30150-4

    Wilhoit, L. F., Scott, D. A., & Simecka, B. A. (2017). Fetal Alcohol Spectrum Disorders: Characteristics, Complications, and Treatment. Community mental health journal53(6), 711–718. https://doi.org/10.1007/s10597-017-0104-0

    Denny L, Coles S, Blitz R. Fetal Alcohol Syndrome and Fetal Alcohol Spectrum Disorders. Am Fam Physician. 2017;96(8):515-22.

    Popova S, Lange S, Probst C, Gmel G, Rehm J. Estimation of national, regional, and global prevalence of alcohol use during pregnancy and fetal alcohol syndrome: a systematic review and meta-analysis. Lancet Glob Health. 2017;5(3):e290-e299.

    Joya X, Friguls B, Ortigosa S, Papaseit E, Martínez SE, Manich A, et al.Determination of maternal-fetal biomarkers of prenatal exposure to ethanol: a review. J Pharm Biomed Anal. 2012; 69:209-22.

    Ornoy A,  Ergaz Z. Alcohol Abuse in Pregnant Women: Effects on the Fetus and Newborn, Mode of Action and Maternal Treatment. Int J Environ Res Public Health. 2010; 7(2): 364–379

    Landgren V, Svensson L, Gyllencreutz E, Aring E, Grönlund MA, Lundgren M. Fetal alcohol spectrum disorders from childhood to adulthood: a Swedish population-based naturalistic cohort study of adoptees from Eastern Europe. BMJ Open, 9 (10), e032407 2019.

    National Institute on Alcohol Abuse and Alcoholism – NIAAA. Fetal Alcohol Exposure. Disponível em: https://www.niaaa.nih.gov/sites/default/files/FASD.pdf. Acesso em: 31 de agosto de 2020. NIAAA; 2019.

Rua do Rócio, 423 Salas 1208/1209
São Paulo - SP - 04552-000

Tel: +55 11 3842-3388 / Cel: +55 11 91257-6108

Dúvidas: contato@cisa.org.br
Parcerias: parcerias@cisa.org.br

Assine o nosso Boletim

CISA, Centro de Informações sobre Saúde e Álcool