Impactos do uso de álcool na saúde dos idosos

5 novembro, 2021

 

Consumo de álcool por pessoas acima de 60 anos pode trazer sérias consequências para a saúde e até mesmo levar a óbito.

No Brasil, o consumo nocivo de álcool é um dos principais fatores de risco evitável para diversos agravos, em especial doenças crônicas não-transmissíveis. Entre a população idosa, essa situação é ainda mais preocupante, uma vez que o uso frequente e excessivo dessa substância nessa faixa etária pode trazer sérias complicações de saúde e até mesmo levar a óbito. O álcool é o 7º maior fator de risco para a carga total de doenças entre indivíduos de 50 a 69 anos e o 10º para indivíduos maiores de 70 anos1.

Isso porque, com o envelhecimento, a tolerância do corpo ao álcool diminui devido a uma série de alterações fisiológicas, como mudanças na capacidade de metabolização hepática e função renal, e alterações na composição corporal, com maior tendência à desidratação. Assim, a ingestão de álcool na terceira idade pode provocar efeitos mais acentuados quando comparados aos adultos de mesmo sexo e peso. Além disso, outros  fatores de risco relativamente comuns nessa faixa etária somam-se às mudanças fisiológicas e podem contribuir para o uso nocivo do álcool, como a viuvez, solidão, perda de amigos, aposentadoria, isolamento, entre outros.

Dentre as consequências do uso nocivo de álcool nessa fase da vida, destacam-se déficits no funcionamento cognitivo e intelectual, prejuízos no comportamento global, aumento do número de comorbidades e agravos a outros problemas de saúde comuns à idade. Além disso, o consumo de álcool pode expor idosos a maior risco de quedas e outras lesões, além de provocar efeitos secundários pela interação com medicamentos mais comumente utilizados por essa população.

Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua mostram que a população brasileira ganhou 4,8 milhões de idosos (com 60 anos ou mais) entre 2012 e 2017, chegando a 30,2 milhões. Os números são altos e inspiram cuidados e atenção2. São mais de 155 mil pessoas idosas afetadas anualmente, entre internações e óbitos atribuíveis ao uso de álcool, o que significa que, a cada hora, cerca de 18 pessoas com idade acima de 55 anos sofrem alguma consequência devido ao abuso dessa substância.

Entre 2010 e 2019, houve uma tendência de aumento na média anual das internações atribuíveis ao álcool. Os idosos representam 34% dessas internações (a maior parcela entre todas as faixas etárias), com variação anual média de 1,09%. Além disso, de todas as internações nessa faixa etária, 3,02%, em média, podem ser atribuídas ao consumo de álcool3.

A tendência de aumento do consumo abusivo de bebidas alcoólicas entre as mulheres dessa faixa etária também é preocupante. Estima-se que, entre 2010 e 2019, houve um aumento de 2,85% no consumo entre as mulheres desse grupo. Além disso, no que diz respeito às internações, elas representam o dobro do índice observado na população geral 55+3. Dados de um estudo recente, realizado pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) com uma amostra de 5.432 brasileiros acima de 60 anos, indicam que a cada quatro brasileiros nessa faixa etária, um consome álcool. Além disso, a pesquisa identificou que cerca de 2 milhões de idosos têm o hábito de praticar o consumo abusivo de álcool, ingerindo várias doses ao longo do mês. O estudo ainda mostrou dados alarmantes, como o fato de 3,8 % dessa população costumar beber quantidades que podem colocar sua saúde em risco ao longo de uma semana4.

A ingestão de bebidas alcoólicas também é um dos fatores de risco para o início precoce de todos os tipos de demência, podendo alterar circuitos neurais, como o de estresse e cognição, prejudicando o planejamento motor, a coordenação motora, o equilíbrio, a fala, o comportamento e as funções cognitivas. O desencadeamento de tais alterações também pode ser fator determinante para o surgimento de limitações físicas significativas. Estudo nacional realizado com idosos indicou que o uso crônico de álcool nessa fase da vida está associado a limitações físicas significativas, com pior capacidade funcional para marcha e outras dimensões da função motora5, como habilidade motora fina, coordenação global, equilíbrio, esquema corporal, organização espacial e temporal, e aptidão motora geral. Essas perdas funcionais motoras aumentam a incidência de quedas que, associadas à osteoporose comum nessa fase, acabam provocando fraturas, com agravamento das incapacidades motoras.

Estimativas com dados nacionais apontam que as principais causas de internações relacionadas ao uso de álcool na faixa etária 55+ no Brasil foram queda (14,8%), outras lesões não intencionais (13,3%) e transtornos mentais e comportamentais devidos ao uso de álcool (10,2%). Por hora, 2 idosos são hospitalizados em razão da queda associada ao uso do álcool no país3.

  

 

INTERNAÇÕES ATRIBUÍVEIS AO ÁLCOOL NA FAIXA ETÁRIA 55+

  

  Principais agravos de internação para faixa etária 55+ 2019

Agravos

Número de internações

Porcentagem

Queda

17.886

14,8%

Outras lesões não-intencionais

16.045

13,3%

Transtornos mentais e comportamentais devidos ao uso de álcool

12.300

10,2%

Cirrose hepática

11.353

9,4%

Acidente de trânsito

10.253

8,5%

Total

120.786

100%

 Fonte: CISA, com dados Datasus3

 

Entre 2010 e 2018, observou-se uma tendência de aumento com variação média anual de 0,37% nos óbitos atribuíveis ao álcool no Brasil para a faixa etária 55+ anos; assim, de todos os óbitos entre os idosos de 2010 a 2018, 2,29%, em média, são atribuíveis ao uso nocivo de álcool. Entre as mulheres com 55 anos ou mais, a tendência também é de aumento, com variação média anual de 0,4%.

Em casos de óbitos atribuíveis ao álcool, os principais agravos foram cirrose hepática (21,7%), doença cardíaca hipertensiva (10%) e transtornos mentais e comportamentais (8,8%). No entanto, essas causas e índices variam bastante conforme o Estado, por exemplo, em São Paulo, o principal agravo de internação foi doença cardíaca hipertensiva (15,1%), e a cirrose hepática representou 25,5% das mortes atribuíveis ao álcool.

 

Principais agravos de óbitos para faixa etária 55+

Agravos

Número de óbitos

Porcentagem

Cirrose hepática

7.468

21,7%

Doença cardíaca hipertensiva

3.432

10%

Transtornos mentais e comportamentais devidos ao uso de álcool

3.023

8,8%

Doença cardíaca isquêmica

2.967

8,6%

Acidente de trânsito

2.598

7,5%

Total

34.430

100%

 Fonte: CISA, com dados Datasus

 

A Política Nacional de Saúde do Idoso tem como pilares a preservação da autonomia e da independência funcional dessa população, mas o aumento do consumo abusivo e das internações e óbitos atribuíveis ao álcool nessa faixa etária são preocupantes, já que podem comprometer esses pilares.

Nesse sentido, desenvolver políticas públicas e programas de saúde que possam contemplar esse grupo populacional, realizando campanhas preventivas são ações fundamentais para que os idosos possam levar sua vida de forma mais saudável e tranquila.

Additional Info

  • Referências:

     

    1. Abbafati C, Machado DB, Cislaghi B, Salman OM, Karanikolos M, McKee M, et al. Global burden of 87 risk factors in 204 countries and territories, 1990–2019: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2019. Lancet. 2020;
    2. IBGE. PNAD contínua [Internet]. 2021 [cited 2021 Oct 29]. Available from: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/habitacao/17270-pnad-continua.html?=&t=series-historicas
    3. CISA. Álcool e a Saúde dos Brasileiros: Panorama 2021 [Internet]. 2021 [cited 2021 Aug 24]. Available from: https://www.cisa.org.br/index.php/biblioteca/downloads/artigo/item/304-panorama2021
    4. Paula TCS, Chagas C, Souza-Formigoni MLO, Ferri CP. Alcohol and ageing: rapid changes in populations present new challenges for an old problem. https://doi.org/101080/1082608420191592196 [Internet]. 2019 Jul 29 [cited 2021 Nov 5];54(9):1580–1. Available from: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/10826084.2019.1592196
    5. Carvalho JKF de, Pereira-Rufino L da S, Panfilio CE, Silva RDA, Céspedes IC. Effect of chronic alcohol intake on motor functions on the elderly. Neurosci Lett. 2021 Feb;745.

     

A gente usa cookies para melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Você tem a opção se deseja permitir ou não. Observe que, ao rejeitá-los, poderá limitar sua experiência no site.