English Version

Cigarros eletrônicos e o consumo de álcool

14 Julho 2022

 

Jovens estão substituindo o cigarro comum pelo eletrônico por acreditarem ser menos nocivo.

Pesquisas têm mostrado que o uso de cigarro comum está diminuindo entre os jovens, enquanto os eletrônicos estão se tornando cada vez mais populares entre esse grupo nos últimos anos1.

Também conhecidos como vape, pod, e-cigarette, e-ciggy, e-pipe, e-cigar, tabaco aquecido, entre outros nomes, o cigarro eletrônico foi criado em 2003 e, desde então, passou por diversos formatos até se transformar no que é hoje. Inicialmente, eram produtos descartáveis, depois passaram a ser recarregáveis com refis líquidos que contêm ingredientes como propileno glicol, glicerina, nicotina e saborizantes, alguns podem conter ainda um refil para colocar tabaco e há também os sistemas pods, semelhantes a um pendrive, que contém sais de nicotina e outras substâncias que se diluem em líquidos2.

Apesar dos altos níveis de nicotina e outros aditivos, esses dispositivos ganharam enorme popularidade entre a população, especialmente entre os jovens adultos, com uma estimativa de 35 milhões de usuários em todo o mundo. O vape é considerado a mais recente tecnologia do mercado e seu uso se popularizou entre os estudantes universitários devido a fatores como novidade, variedade de sabores, possibilidade de fazer uso do aparelho em locais fechados ou ao fato de fazer com que o jovem esteja “na moda”.

Durante o ano de 2019, ocorreu um surto de lesão pulmonar em decorrência do uso do cigarro eletrônico, levando a um significativo número de mortes, o que gerou um alerta sobre os efeitos que esse dispositivo pode causar à saúde.

Impactos para a saúde

 

Atualmente, há poucos dados clínicos sobre as patologias decorrentes do uso do cigarro eletrônico. Sabe-se, entretanto, que doenças pulmonares, como pneumonias, bronquiolite, doenças pulmonares intersticiais, asma e hemorragias alveolares difusas estão entre as mais comuns.

Os impactos dos dispositivos vaping, no entanto, não estão relacionados apenas à saúde pulmonar. Por serem anunciados como menos nocivos, acabam sendo utilizados como alternativa ao tradicional.

Com isso, o vape ganhou popularidade entre os pacientes com câncer: de acordo com uma pesquisa norte-americana, a prevalência do uso aumentou de 8,5 % em 2014 para 10,7 % em 2017. A exposição a esse tipo de cigarro, com ou sem nicotina, mostrou evidências significativas de morte celular e necrose em comparação com pessoas que não utilizam o dispositivo. Além disso, foram encontrados potentes agentes cancerígenos nesses dispositivos. Também foi observado que o fornecimento de nicotina é substancialmente maior nos cigarros eletrônicos do que nos tradicionais, o que levou à conclusão de que os eletrônicos não são mais seguros.

A doença cardiovascular é uma das principais causas de mortes relacionadas ao fumo. De acordo com a American Heart Association, fumar causa mais de 20% das mortes devido a doenças cardíacas nos EUA. E quando se fala em cigarros eletrônicos, os efeitos são tão prejudicais quanto os do cigarro comum. O uso de cigarros eletrônicos pode ser um fator contribuinte também para o acidente vascular cerebral, além de aumentar sua lesão.

Usuários desses dispositivos ainda estão sujeitos a danos à cavidade bucal, causados pela inalação de muitos componentes tóxicos presentes nos vapes, como benzeno, chumbo, partículas ultrafinas, diacetil, nicotina, níquel e estanho.

Há ainda efeitos no sistema nervoso central, que incluem o desenvolvimento da dependência, convulsões, síncope ou tremores. Foram relatados também sintomas neurológicos, como dores de cabeça, mal-estar, náuseas, cansaço, tontura, fadiga, tontura, enxaqueca e acidente vascular cerebral.

 

Álcool e cigarro eletrônico

A relação entre o consumo de álcool e cigarros comuns já tem sido abordado na literatura médica. Estudos relatam que indivíduos que bebem álcool são mais propensos a fumar cigarros comuns comparados a indivíduos que não bebem, e os indivíduos que fumam são mais propensos a relatar o consumo de álcool comparados àqueles que não fumam. Além disso, bebedores pesados ​​tendem a ser fumantes pesados ​​e vice-versa, ou seja, os transtornos por uso de álcool apresentam comorbidade com a dependência do tabaco3.

Uma pesquisa realizada com 631 estudantes4 mostrou que os bebedores compulsivos (12,1%) fumam mais cigarro comum do que os moderados (5,1%). Além disso, quase um quarto da amostra relatou já ter experimentado cigarros eletrônicos (21,7%), sendo a maior parte (26,5%) de bebedores. No geral, 8,4% da amostra relatou uso atual de cigarros eletrônicos, sendo em sua maioria pessoas que fazem uso de bebidas alcoólicas (10,1%).

Entre as motivações para o uso dos vapes, a mais popular (29,5%) é a crença de que o vapor é menos prejudicial para os outros do que a fumaça do tabaco. Outras razões populares apontadas pelos estudantes são: economizar dinheiro (18,9%), os cigarros eletrônicos são melhores para a saúde (17,0%), capacidade de fumar em áreas para não fumantes (15,1%) e sabor melhor do que o tabaco/variedade de sabores (14,9%). Em comparação com pessoas que não bebem, as motivações são mais comumente endossadas por aqueles que consomem álcool, principalmente a possibilidade de utilizar o dispositivo em áreas para não fumantes.

Observou-se ainda uma relação entre a quantidade de álcool tipicamente consumida e já ter experimentado cigarros eletrônicos. Nesse sentido, beber menos por ocasião estaria associado a nunca ter experimentado cigarros eletrônicos; por outro lado, o maior consumo de bebidas por episódio estaria associado a um aumento das taxas de experimentação de cigarros eletrônicos.

O CISA alerta para os riscos do uso nocivo do álcool e, principalmente, de sua associação com o tabaco e o cigarro eletrônico. Além disso, reforçamos que a comercialização, importação e propaganda desses dispositivos para fumar são proibidas no Brasil por meio da Resolução de Diretoria Colegiada da Anvisa, com base no princípio da precaução, devido à limitada quantidade de dados e evidências científicas que comprovem que esse produto não é nocivo.

Additional Info

  • Referências:

    1.Maria Esteban-Lopez, Marissa D. Perry, Luis D. Garbinski, Marko Manevski, Mickensone Andre, Yasemin Ceyhan, Allen Caobi, et al. "Health effects and known pathology associated with the use of E-cigarettes" Toxicology reports 9, (2022): 1357-1368. doi: 10.1016/j.toxrep.2022.06.006

    2. ANVISA. Cigarro eletônico. https://www.gov.br/anvisa/pt-br/assuntos/tabaco/cigarro-eletronico

    3. Piasecki, Thomas M., et al. "The subjective effects of alcohol–tobacco co-use: An ecological momentary assessment investigation." Journal of abnormal psychology120.3 (2011): 557. https://doi.org/10.1037/a0023033

    4.Hefner, K. R., Sollazzo, A., Mullaney, S., Coker, K. L., & Sofuoglu, M. (2019). E-cigarettes, alcohol use, and mental health: Use and perceptions of e-cigarettes among college students, by alcohol use and mental health status. Addictive behaviors91, 12–20. https://doi.org/10.1016/j.addbeh.2018.10.040

     

Rua do Rócio, 423 Salas 1208/1209
São Paulo - SP - 04552-000

Tel: +55 11 3842-3388 / Cel: +55 11 91257-6108

Dúvidas: contato@cisa.org.br
Parcerias: parcerias@cisa.org.br

Assine o nosso Boletim

CISA, Centro de Informações sobre Saúde e Álcool