O consumo de álcool entre as mães

10 Mai 2022

 

A forma de consumir álcool tem mudado entre as mães neste período de pandemia. Entenda o que pode estar influenciando esta mudança.

Os papéis socioculturais, obrigações e normas sociais da maternidade mudaram nas últimas décadas, e este novo comportamento pode estar influenciando no hábito de beber da mãe. As mães, tradicionalmente, comparadas a mulheres sem filhos, tendem a não consumir bebidas alcoólicas de forma abusiva e têm menor risco de desenvolver algum transtorno relacionado ao álcool1. No entanto, as taxas de consumo excessivo de álcool têm aumentado entre as mulheres no geral (com e sem filhos), sinalizando que não devemos negligenciar este grupo.

A pandemia de COVID-19 sobrecarregou as mulheres, principalmente as mães. Um estudo realizado pelo Instituto Nacional de Abuso de Álcool e Alcoolismo (NIAAA) observou que, em 2020, do início da pandemia de COVID-19 até novembro do mesmo ano, o consumo de bebidas alcoólicas por mães com filhos menores de 5 anos aumentou 323%2. E uma das explicações para este resultado estrondoso foi que, além do aumento no consumo de álcool estar historicamente associado a eventos catastróficos (como a pandemia), as mulheres tendem a ser mais propensas a usar álcool como uma resposta para lidar com o estresse, depressão e ansiedade3.

A tendência de aumento de consumo de álcool entre mães e pais neste período provavelmente é influenciada pelo estresse relacionado à pandemia, somado às demandas contínuas de cuidados infantis e educação em casa, costumeiramente mais onerosas para as mulheres do que para os homens4. Além disso, o Departamento do Censo dos EUA (US Census Bureau) descreveu como “devastadoras” as perdas no mercado de trabalho que as mulheres enfrentaram em 2020. A Secretaria de Estatísticas Trabalhistas dos EUA (US Bureau of Labor Statistics) observou que, em janeiro de 2021, aproximadamente 10 milhões de mulheres nos Estados Unidos, com filhos em idade escolar, não estavam ativas no mercado de trabalho, um aumento de 1,4 milhão comparado a janeiro de 2019. Além disso, o relatório também documentou que as mulheres continuaram a carregar muito mais o fardo do trabalho doméstico e de cuidados infantis do que os homens4.

Recentemente, as plataformas de mídias sociais têm se consolidado como um fórum popular para mães compartilharem informações e lidarem com o estresse associado à maternidade. Embora essas comunidades virtuais possam funcionar como uma forma de compartilhar conselhos, elas também podem ser usadas para disseminar informações prejudiciais à saúde1, incluindo mensagens sobre o álcool ser uma ferramenta de apoio para “aliviar” o estresse. 

De uma falsa associação entre o consumo de vinho e o alívio de estresse surgiu o “winemom”, termo em inglês que, traduzido ao pé da letra, significa “mãe vinho”. Este termo, e o que ele representa, tem demonstrado como os ambientes online podem naturalizar normas e crenças compartilhadas em torno do álcool e da maternidade1

Um estudo com o objetivo de descrever o conteúdo relacionado ao álcool postado por mães na rede social Instagram durante a pandemia de COVID-19 mostrou que a maioria das postagens avaliadas incentivaram e/ou exibiram álcool, encorajando o seu consumo4. Os posts, selecionados e analisados através das hashtags #momjuice e #winemom, indicam que o consumo excessivo de vinho (ou outros tipos de bebidas alcoólicas) está perigosamente associado a um sistema de apoio e socialização de mães que estão enfrentando  sobrecarga e estresse durante a pandemia e vêem na ingestão de álcool uma forma de obter relaxamento ou compensação após um dia difícil4.

Vale ressaltar que novas pesquisas devem ser realizadas para avaliar e compreender este novo comportamento das mães, buscando entender o papel que o álcool adquiriu em suas vidas nesse contexto de sobrecarga. Esse entendimento é fundamental para desmistificar a ideia de que o consumo de álcool poderá solucionar os problemas causados por uma vida sobrecarregada, bem como oferecer alternativas mais saudáveis e formas de apoio a essas mães.  O reconhecimento das pressões sociais impostas às mães, especialmente no período de pandemia, mostra que o caminho deve ser menos o do julgamento de suas atitudes e mais no sentido de lhes oferecer suporte e acesso a atenção, afinal, quem cuida também precisa ser cuidada. 

 

Additional Info

  • Referências:

    1. Adams, Rachel Sayko, Emily Ledingham, and Katherine M. Keyes. "Have we overlooked the influence of" wine-mom" culture on alcohol consumption among mothers?." Addictive behaviors 124 (2022): 107119.

    2. Barbosa, Carolina, et al. "Assessing Pandemic-Driven Changes in Alcohol Consumption." (2021).

    3. Peltier, MacKenzie R., et al. "Sex differences in stress-related alcohol use." Neurobiology of stress 10 (2019): 100149.

    4. Basch, Corey H., et al. "Use of the Instagram Hashtags# winemom and# momjuice Among Mothers During the COVID-19 Pandemic: Descriptive, Cross-sectional Study." JMIR Pediatrics and Parenting 4.2 (2021): e28991.

Rua do Rócio, 423 Salas 1208/1209
São Paulo - SP - 04552-000

Tel: +55 11 3842-3388
Cel: +55 11 91257-6108

Dúvidas: contato@cisa.org.br
Parcerias: parcerias@cisa.org.br

Assine o nosso Boletim

CISA, Centro de Informações sobre Saúde e Álcool