Relação entre os efeitos do álcool e da altitude no organismo

4 outubro, 2013

Por que temos a impressão de que o efeito do álcool é maior durante o vôo?

Durante as viagens aéreas somos submetidos a condições atmosféricas que por si só podem influenciar o organismo humano. À medida que aumenta a altitude, há uma redução na pressão atmosférica, determinando uma menor pressão parcial de oxigênio (O2) e gerando a chamada hipóxia, uma deficiência de oxigênio nos tecidos corporais suficiente para causar impedimento da função fisiológica.

Existem quatro categorias fisiológicas de hipóxia; dentre elas, vale destacar a hipóxia hipóxica (de altitude), que resulta de uma troca gasosa inadequada na membrana capilar-alveolar e representa a causa mais comum de hipóxia encontrada na altitude, podendo tornar-se aparente acima de 10.000 pés (zona de deficiência fisiológica).

Dentre as principais características da hipóxia, destaca-se sua ação no Sistema Nervoso Central e, mais especificamente, na alteração da capacidade de julgamento. Desta forma, evidenciam-se perturbações das percepções sensoriais, sensibilidade tátil reduzida, audição afetada, dificuldade de discernimento, raciocínio e memória afetados. Pode, inclusive, de modo muito semelhante ao que ocorre no uso de álcool, levar à euforia, depressão e perda de coordenação motora.

Diferentes fatores influenciam a susceptibilidade individual à hipóxia, como o tabagismo, ingestão de álcool, falta de atividade física, exposição a altas temperaturas, dentre outros fatores. Quando ela é resultante de ingestão de álcool ou outras substâncias psicoativas, denomina-se hipóxia histotóxica, caracterizada pela incapacidade dos tecidos corporais em utilizar o oxigênio disponível.

Diversos estudos indicam que o álcool pode interagir adversamente e potencializar os efeitos estressores observados no organismo em voos aéreos/altitude, como reduzir a saturação de oxigênio da hemoglobina durante a hipóxia, por exemplo. Ainda, o álcool também é um depressor do Sistema Nervoso Central e age diretamente em diversos órgãos, tais como o fígado, o coração, vasos e na parede do estômago. Em pequenas quantidades promove uma desinibição, mas com o aumento desta concentração o indivíduo passa a apresentar uma diminuição da resposta aos estímulos, fala pastosa, dificuldade à deambulação entre outros (tabela 1) – muito semelhante aos efeitos da hipóxia.

Outra característica importante é que o ar em grandes altitudes é muito seco e, ao passar pelas turbinas, é aquecido em altas temperaturas, o que pode causar desconforto por ressecamento de mucosas, sede, irritação ocular e nasal, entre outros – e, como o álcool é diurético e por si só pode causar desidratação, esse efeito pode ser potencializado.

Em suma, apesar de alguns estudos não identificarem um efeito sinérgico do álcool e da altitude até os 12 mil pés, há pesquisas que apontam que o álcool prejudica significativamente o desempenho e da mesma maneira, a altitude. Quando estes dois fatores são somados seus efeitos podem ficar mais evidentes, ampliando a impressão de que as consequências do uso de bebidas alcoólicas estão exacerbadas em situação de voo; porém, não há um consenso sobre esse possível efeito sinérgico, também devendo ser considerados outros fatores que podem influenciar o desempenho e interagir com o álcool, como a fadiga.

Tabela 1. Níveis de concentração de álcool no sangue (CAS) e os sintomas clínicos correspondentes

CAS (g/100ml) Efeitos sobre o corpo
0,01-0,05 Aumento do ritmo cardíaco e respiratório
Diminuição das funções de vários centros nervosos
Comportamento incoerente ao executar tarefas
Diminuição da capacidade de discernimento e perda da inibição
Leve sensação de euforia, relaxamento e prazer
0,06-0,10 Entorpecimento fisiológico de quase todos os sistemas
Diminuição da atenção e da vigilância, reflexos mais lentos, dificuldade de coordenação e redução da força muscular
Redução da capacidade de tomar decisões racionais ou de discernimento
Sensação crescente de ansiedade e depressão
Diminuição da paciência
0,10-0,15 Reflexos consideravelmente mais lentos
Problemas de equilíbrio e de movimento
Alteração de algumas funções visuais
Fala arrastada
Vômito, sobretudo se esta alcoolemia for atingida rapidamente
0,16-0,29 Transtornos graves dos sentidos, inclusive consciência reduzida dos estímulos externos
Alterações graves da coordenação motora, com tendência a cambalear e a cair frequentemente
0,30-0,39 Letargia profunda
Perda da consciência
Estado de sedação comparável ao de uma anestesia cirúrgica
Morte (em muitos casos)
A partir de 0,40 Inconsciência
Parada respiratória
Morte, em geral provocada por insuficiência respiratória

Additional Info

Rua do Rócio, 423 Salas 1208/1209
São Paulo - SP - 04552-000

Tel: +55 11 3842.3388
contato@cisa.org.br

Assine o nosso Boletim

CISA, Centro de Informações sobre Saúde e Álcool